Seguidores

sexta-feira, 31 de maio de 2013

ONTEM (Dueto)


Começa a minha grande amiga Manuela Barroso:

Se recordar é viver
enquanto o permite a vida
lembremos os nossos sonhos
de uma infância colorida

As nossas flores silvestres
hoje flores de canteiro
não têm o mesmo perfume
e contra o que é costume
não escolhem nascimento
são flores do ano inteiro

Mas o maio sempre chega
nas suas folhas brilhantes
e numa explosão de cores
são sempre as flores de dantes.

CONTINUO:

Quero lembrar-me dos sonhos                                    7) Como existe a aviação, 
Da meninice feliz,                                                            E estufas por todo o lado
Quando vivia na aldeia                                                    Há flores o ano inteiro,
No quintal «Vila Beatriz».                                               Mas com perfume « velado».

Havia um lindo jardim,                                                    E a Faculdade exige
Todo talhado à francesa,                                                Que, por cá, continuemos.
Com vários tipos de flores                                              Penso na aldeia, onde existem                                
Ou rasteiras, ou arbóreas.                                              Os meus bonitos crisântemos.
                                                                                      
E, no resto do terreno,                                                   Quando lá vou, de visita,
Que era todo ele uma horta                                            Seja qual for a estação,
Havia aqui e acolá                                                          Há sempre tão lindas flores
Mal-me-queres, papoilas e,                                            Quer seja inverno ou verão!                      
Miosótis bem azuis.                                                        É que elas têm sua época,
                                                                                      Muda o tempo e a floração.
O pior foi vir viver                                                          
Para uma grande cidade                                                
Sonhava que ia ter                                                                                                                  
Lá, a mesma liberdade.                                                   Agora, volvidos anos,
                                                                                      Tudo se mantém igual
Embora houvesse na casa                                               O mês de maio com lírios
Uma parte a cultivar,                                                       E rosas, em especial.
O certo é que ar conspurcado                                        
Não permitia medrar                                                      Os perfumes são os mesmos
                                                                                      Poluição, lá, é menor
As flores vindas do campo,                                            E encontramos, a esmos,
Por causa da poluição.                                                   Nossos cultivos de Amor.
E tudo perde o encanto!!!...
As plantinhas, aqui, crescem,
Mas demoram um tempão!                                                      
                                                                                     
                               

Beatriz de Bragança

12 comentários:

Tamara disse...

Así fue tu infancia, entre un jardín de flores? Un besazo.

Marte disse...

Lindos versos!!

Anne Lieri disse...

Esses duetos estão cada dia mais bonitos e como é bom recordar os dias de meninice!Vc e Manuela estão no meu blog hoje!No Recanto dos autores.bjs,

Tamara disse...

Me acuerdo de esos años en que la risa flotaba siempre por el ambiente..

Hermoso poema Beatriz. Un besazo.

✿ chica disse...

Lindo mais esse dueto!Adorei! Bom te ler e rever!beijos,chica

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Lindo poetar Beatriz!Como é bom relembrar a nossa infância.

Obrigada da visita e comentário em meu espaço.

bjs
Carmen Lúcia.blogspot.com

Dorli disse...

Oi Beatriz
Linda a poesia
O que acontece que agora está difícil achar seu blog, procurei na internet, achei, depois voltei não achei mais.
Pedi a Carmem e entrei por um atalho no e-mail.
Primeiro você tinha uma flor e era só clicar nela saía seu blog, agora não tem foto e não sai nada.
Um beijo
Lua Singular

Ives disse...

Tem tirar as flores de seus lugares, assim como fazem como os pássaros coloridos, e assim como os pássaros, as flores reproduzem a beleza, mas não com a mesma realeza! abraços

Franciete Filipe disse...

Minha querida e doce amiga, adorei a sua visita e o poema em conexão com a sua amiga... as flores e as aldeias de onde ficaram as nossas raízes ficam sempre gravadas no nosso coração por muito que nos distânciemos sempre elas vem connosco.
Meu bem me vai desculpar mas acho que falta algo no seu blogue, porque quando a amiga comenta não trás o link agarrado e o que deixa em baixo também não se consegue entrar.
Mas para mim não faz falta porque eu tenho aqui o seu blog. que estou a seguir e vou sempre lá ter, isto foi uma amiga que você foi visitar e ela também lá foi ter, mas comentou isto comigo.
Tenha uma linda semana cheia de amor carinhos e muita saúde.

manuela barroso disse...

Olá querida amiga de longos anos,

Desculpa a ausência mas sabes os meus afazeres ultimamente.
Os meus pobres versos não são mais que isso. Feitos em cima do joelho, sem outro fim que não seja a diversão como faço com a nossa querida Chica.Não me demorando com a estética que poesia merece, tudo isto não passa a de um ligeiro VERSEJAR.Ponto.
De resto, está a dar-me um "gozo" enorme recordar de forma simples a infâcia e o nosso colorido.
Adorei os teus canteiros e lá chegarei um dia! Um belissimo trabalho querida! Continuemos...
Aquele abraço

Silenciosamente ouvindo... disse...

Continuem com os vossos duetos
porque são maravilhosos.
Boa semana.
Beijinhos
Irene Alves

M. disse...

Minha querida,
tão bonito! E como é valioso termos o privilégio de ter boas recordações!
Um beijinho