Seguidores

segunda-feira, 20 de julho de 2020

PANDEMIA

O país parou.
Crianças e jovens ficaram retidos em casa, para se protegerem do temível vírus.
Os professores, zelosos, enviavam emails com marcações de trabalhos a serem feitos pelos alunos ou com auxílio dos familiares. A docente de Língua Portuguesa de uma aluna do 5º ano de escolaridade pediu o seguinte: «Redige um texto em verso, sobre os tempos que estamos a viver, a tua experiência, os teus sentimentos, os teus medos, os teus sonhos e a tua experiência na escola à distância.»
E a menina escreveu assim, não deixando que ninguém alterasse  nenhum termo, para que a professora soubesse que, de facto, era ela a autora.

Imagem do Google
Corria o mês de fevereiro
E olha o que aconteceu:
Trabalhou muito o coveiro,
Porque o Covid apareceu.

Senti enorme estranheza,
Tudo mudou em redor,
Como se estivesse presa
E o tempo fosse maior.

Convivo com a família,
Todo o dia reunida,
Mas tomo um bom chá de tília,
P'ra uma noite bem dormida.

Não ponho o meu pé na rua,
P'ra não ser contagiada,
Minha mão não anda nua,
E não toca mesmo em nada.

Gostava de ver o fim
Desta louca pandemia,
A mãe abraçar-se a mim,
De manhã ao fim do dia.

Inovador é o ensino
Com as aulas à distância,
Mas às vezes desatino
E agradeço a tolerância.

Saudades a toda a hora
Das aulas que antes tinha
Ó Covid, vai-te embora,
P'ra eu voltar à vida minha.

MARIA PINHEIRO - abril de 2020


18 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Com palavras inocentes este poema encantador, permite-nos ver os efeitos da pandemia na vida de uma criança.
Espero que esteja bem.
Beijinhos

chica disse...

Nessa poesia, todo o sentimento da menina nesse período que pra todos nós( aqui ainda estamos vivendo) mexeu com a nossa vida!
Lindo dia e tudo de bom!
beijos, chica

Humberto Maranduva disse...

Ora, ai está!
Parabéns, Maria!
Um belíssimo poema, repleto de sensibilidade artística, de profunda capacidade sensitiva, de sublime percepção das coisas que ameaçam a nossa envolvência colectiva.
Continua a escrever, a ler, a estudar, a brincar muito, para seres capaz de dar continuidade a algo que já é intrínseco em ti - essa força de vida que ninguém fará soçobrar.
Um beijinho, minha querida.
Humberto Maranduva (Tio Manel).

" R y k @ r d o " disse...

Versos simples mas intensos e profundos. Adorei ler. O poema fala de uma Pandemia que nos tem afectado e continua a afectar. Elogio a inspiração e criatividade poética.
.
Cumprimentos

Luiz Gomes disse...

Beatriz as crianças e adultos sofrem muito com a pandemia. O problema que alguns adultos se comportam como crianças e não pensam nas consequências. Sem respeitar as novas regras de convivência.

A Paixão da Isa disse...

muito bonito pois vamos la haver o que vai dar agora nas ferias que deus nos proteja bjs saude

SOL da Esteva disse...

Magnífica Poesia. Parabéns á Autora.
Com esta "amostra" ficamos seguros que temos Poetisa.

Vai em frente, minha linda
Porque "veia" há em ti.
Da pandemia, tem calma.
Já vivi o que vivi
E espero ler tua Alma.


Parabéns a ambas pelo trabalho tão bem elaborado e sentido.

Beijos
SOL


Chris Ferreira disse...

OI Beatriz, lindo o trabalho da Maria Pinheiro. Gostei muito mesmo. Tempos difíceis e é bom vê-lo pelos olhos de uma criança. Estou precisando dessa chpa de Tília. Também ando louca par ver o fim dessa louca pandemia.
Muito obrigada por compartilhar o texto em verso da aluna do 5o ano.
beijos
Chris


Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

Ana Tapadas disse...

Foi mesmo assim! Para nós e para eles foi muito difícil.

Beijinho

rosa-branca disse...

Um poema encantador e em verso como eu adoro. Um abraço com carinho

Majo Dutra disse...

Uma mensagem pertinente em quadras interessantes que bem merecem este destaque.

Ainda em pausa, fazendo um périplo pelos blogues amigos para agradecer os cumprimentos
que me deixaram pela publicação transacta; agradeço o carinho com que me distingue e
convido-a para celebrar a amizade no A Vivencar a Vida.

Que o mês de Agosto seja mais leve, sereno e melhor.

Abraço grande, amiga Beatriz.
~~~~

" R y k @ r d o " disse...

Bom dia:- Então? Não há novo tema?

Desejando bom fim-de-semana
Abraço

Maré Viva disse...

Agradeço a tua visita ao meu espaço e as palavras simpáticas.

Quanto ao poema da Maria, de verdes anos, muito bem conseguido e construído!
Temos poeta, porque "veia" não lhe falta.
Um excelente fim de semana!
Beijinhos.

Tais Luso de Carvalho disse...

Ora, ora... que lindo poema escrito por uma jovenzinha. Aí está a sensibilidade nata, essa menina vai longe, sim.
Gostei muito de ler.
Uma boa semana, Beatriz,
beijo, até mais!

Cidália Ferreira disse...

O mundo parou. Tudo parou. Nós sofremos com isso. Todo o mundo sofre. Nunca mais nada vai ser igual. Instala-se o pânico. E nas escolas? Uma luta. Uma nova realidade com um novo adereço. A máscara!
Desejo-lhe um feliz mês de Agosto!
***
"Com Amor" ... Desfolhando memórias

Beijo e um excelente fim de semana!

Roselia Bezerra disse...

Boa tarde de muita paz, querida amiga Beatriz!
Muito lindo o texto e verdadeiro.
Todos estamos como a menina. Saudosos de tirar máscaras e luvas... Poder tocar, abraçar, doar e receber carinho. Viver!
Esteja bem, minha querida.
Cuide-se bem. Vamos a caminho da vacina.
Deus nos proteja de todo mal.
Tenha dias abençoados!
Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

Josefa disse...

Enternecedor .Felicidades a la autora.
Un beso.

Ani Braga disse...

Olá Beatriz querida


Estamos vivendo tempos difíceis, mas tomara tudo isso passe logo.


Beijos
Ani